Legenda da imagem

Recomeçar: ainda é tempo!

­­

­

Imagem Ilustrativa

Depois de uma noite festiva, acordei angustiado. Por que estou assim? Por que este aperto no peito? Por que aquela alegria não permanece no dia seguinte? Seria isto a síndrome da Cinderela, que depois de uma noite mágica, somos acordados com um tapa da realidade? Enquanto estava sob efeito das influências do conto de fadas, tudo era tão perfeito que não havia motivos para preocupações futuras. Afinal, nesse contexto de euforia, só pensamos que o amanhã será um desdobramento natural do hoje, uma maravilha! Então, vamos aproveitar a festa!

No dia seguinte, entretanto, o despertador parece uma trombeta anunciando que o inimigo se aproxima e que é hora de sair à peleja. Estou exausto, mas tenho que atender ao chamado da vida: “coloque sua armadura (uniforme ou terno), pegue suas armas (bolsa, carteira, caderno, livro, notebook e celular) e corra para se juntar com seus aliados que estão em formação na base de partida (ponto do ônibus). No campo de batalha (local de trabalho), seu comandante (chefe ou professor) já estará lá para passar todos em revista e anunciar a estratégia de combate (tarefas)”. Procure sobreviver!

 Bom, agora eu sei o significado da palavra “desencantamento”: é quando o efeito do feitiço passa. Minha mente já está livre da influência do álcool, das drogas, das músicas altíssimas e das conversas dos amigos que me alegravam. Daquele momento, na prática, só restou mesmo a dor de cabeça. 

Começo, então, o dia fazendo o que deve ser feito, mas sinto-me pesado, com um misto de vergonha, arrependimento e saudosismo, tudo ao mesmo tempo. Queria que o momento mágico não acabasse, mas acho que falei o que não devia e fiz o que não devia. Fui no embalo dos outros, mas agora é tarde. O jeito é conversar com meus amigos, aqueles que pensam como eu e, certamente, dirão que eu não devo me sentir assim e que não há razão para arrependimento ou sentimento de culpa! No final, vou ficar convencido de que está tudo bem e que valeu a pena, pois pelo menos eu me diverti, aproveitei a vida, sem culpas ou medos. 

 Será? E por que a angústia insiste em voltar? 

Vamos à realidade! 

A angústia é a dor de alma que Deus criou para nos dizer que algo não está bem. Do mesmo modo que a dor física nos aponta para uma agressão ao nosso corpo, que precisa cessar, a angústia nos mostra que nossa alma foi ferida e tem de se livrar do que a agride. Mas, o quê? E como? 

O fato é que o homem foi criado em santidade e imediatamente após isso foi posto sob a lei de Deus, o criador. Tanto nosso corpo quanto nossa alma foram programados com limites que devem ser respeitados. Quando não os observamos, a luz vermelha se acende para nos informar que devemos parar imediatamente com o excesso (pecado), sob o risco de quebra. Se não pararmos por nossa própria iniciativa, isso ocorrerá mesmo contra a nossa vontade. 

A dor de alma, angústia e desassossego (falta de paz) é a luz vermelha que se acende quando algo não vai bem, quando o pecado está agredindo nossa alma. Mesmo que, ao olhar ao seu redor, tudo lhe pareça certo, comum ou normal, havendo angústia e falta de paz, é porque a alma está sendo ferida. O próprio criador nos garante isso! 

“Não há paz alguma para os ímpios, diz o Senhor” (Isaías 48:22) 

Fugir de Deus, de seus princípios e de seus decretos nos coloca em franca rebelião contra o criador. Nessa condição funcionamos fora dos limites divinos e a luz vermelha se acende (falta paz) antes que ocorra a quebra (derrota, depressão ou morte). 

Quebrou? E agora? Quer consertar a máquina, trocar a peça com defeito para, em seguida, continuar a usá-la do mesmo modo que estava fazendo? A luz vermelha se acenderá novamente e a quebra subsequente será inevitável. Se não aceitarmos os limites da máquina, ela continuará quebrando até que chegue o dia em que não haverá mais recuperação. 

A solução de Deus, portanto, é começar de novo (recomeçar), do jeito certo. Isso implica mudança radical, que se se inicia com uma atitude mental, quando decidimos dar o primeiro passo: “eu quero, eu posso, eu devo”. A bíblia sagrada, com seus fatos, aponta nessa direção: 

"3 Israel esteve por muito tempo sem o verdadeiro Deus, sem sacerdote que o ensinasse e sem lei. 4 Mas, quando, na sua angústia, eles voltaram ao Senhor, Deus de Israel, e o buscaram, foi por eles achado. 5 Naqueles tempos, não havia paz nem para os que saíam nem para os que entravam, mas muitas perturbações sobre todos os habitantes daquelas terras. 6 Porque nação contra nação e cidade contra cidade se despedaçavam, pois Deus os conturbou com toda sorte de angústia. 7 Mas sede fortes, e não desfaleçam as vossas mãos, porque a vossa obra [atitude de buscar a Deus] terá recompensa. " (2 Crônicas 15:3-7) 

A atitude mental é importante nesta hora, mas deve ser sucedida por ação prática. Se sabemos que algo não vai bem, é necessário fazer a escolha certa e agir nesse sentido, para que nossa alma fique bem ajustada com a vontade de Deus (expressa em sua palavra), quando, então, experimentaremos o seu favor: 

"2 E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. " (Romanos 12:2) 

O próprio Senhor Jesus, certa vez afirmou: 

"3 A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus." (João 3:3) 

Jesus nos chama a uma nova vida, mas não quer remendos na vida velha e na religião velha, já danificada. Ele nos propõe algo totalmente novo: 

"Ninguém põe remendo de pano novo em veste velha; porque o remendo tira parte da veste, e fica maior a rotura." (Mateus 9:16) 

Se tomarmos a decisão certa, nunca mais acordaremos com pesar na alma, pois a verdadeira paz (homem/Deus) se estabelecerá por todos os dias da nossa vida: 

"27 Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." (João 14:27) 

Não seria esta a hora de você recomeçar? 

Faça uma avaliação e reflita o quanto sua vida e sua religião “festivas” mas sem santidade, cheia de falsas amizades e de relacionamentos frágeis têm sido um contínuo de entorpecimentos, falsas esperanças, desconfianças, ciúmes, invejas, disputas e promessas desconectadas dos decretos de Deus. Veja bem e perceba se você não está vivendo de ilusões seguidas de desencantamentos e frustrações recorrentes que o fazem perder o seu ânimo diante de tantas decepções com tudo e com todos. 

Talvez, até agora você tenha vivido a angústia do dia seguinte ao conto de fadas, mas ainda assim se agarra nas ilusões de um mundo encantado que só se materializa por breves momentos de entorpecimento do seu ser. Por isso, você continua repetindo os mesmos erros e se juntando com as mesmas pessoas que alimentam sua mente com falsas alegrias e esperanças, algumas até religiosas, que se desfazem imediatamente após o despertar da realidade. Então, para não ficar “quebrado”, você volta ao mesmo grupo para que eles falem o que você deseja ouvir e o reanimem para continuar fazendo o mesmo que sempre fez e não lhe traz paz. Se você continuar a andar pelo mesmo caminho, não espere chegar em um lugar diferente. 

O criador lhe chama para uma nova vida, um novo caminho. 

Por que você não toma uma atitude? Não deixe que o medo do novo impeça que você rompa com o que lhe faz mal. 

Queremos encorajá-lo a tomar uma atitude em favor de seu futuro. 

Faça-nos uma visita e veja como o evangelho de Jesus é simples, mas eficaz!

"E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas. " (2 Coríntios 5:17) 

Em, 18 de março de 2015.

Pastor Sólon Pereira 

F­­AÇA PARTE DESTE PROJETO!

Se você se identifica conosco e gostaria de fazer parte deste projeto, contate-nos: 

 celeiros.df@gmail.com

ou pelo facebook nos seguintes endereços: 

 https://www.facebook.com/groups/celeiros/     -    https://www.facebook.com/groups/celeiros/.