Igreja cristã Celeiros
Voltar para a lista

Por estarem vazias, igrejas da Europa estão sendo colocadas a venda 

Com o aumento do número de igrejas vazias na Europa, os templos têm sido colocados à venda para dar espaço a projetos comerciais.O rápido enfraquecimento da fé cristã na Europa resultou no fechamento de muitas igrejas que, por estarem vazias, tiveram de ser vendidas. Locais de adoração a Deus se tornaram academias, supermercados, lojas e até bares. O cenário de outras religiões é muito diferente do cristianismo. O Judaísmo Ortodoxo, que é predominante na Europa, tem se mantido relativamente estável. 

 Por outro lado, o Islamismo cresceu pela influência de imigrantes da África e do Oriente Médio.O número de muçulmanos na Europa representava cerca de 4,1% da população total da Europa em 1990. Em 2010, os muçulmanos eram 6%, e a previsão é que chegue a 8%, ou 58 milhões de pessoas, em 2030, de acordo com o Pew Research Center. 


Quando as igrejas estão em desuso, muitas vezes são recriados espaços para artes, educação e esportes. No entanto, como os custos do prédio geralmente são caros, a antiga igreja acaba sendo tomada por projetos comerciais. 

 O cenário em países europeus 

 A Igreja da Inglaterra fecha cerca de 20 congregações por ano. Cerca de 200 igrejas dinamarquesas foram consideradas inviáveis ​​ou subutilizadas. Na Alemanha, 515 igrejas católicas fecharam nos últimos dez anos.Na Holanda, a tendência parece ser a mais avançada. É estimado que 700 igrejas protestantes fechem nos próximos quatro anos."Os números são tão grandes que toda a sociedade terá de lidar com isso", diz Lilian Grootswagers, ativista do Futuro para o Patrimônio Religioso, que trabalha para preservar igrejas. 

 "Todo mundo vai ter que lidar com grandes prédios vazios em seus bairros." 

 Os Estados Unidos tem evitado uma onda semelhante de fechamento de igrejas, porque os cristãos norte-americanos continuam sendo mais religiosamente atentos do que os europeus. No entanto, pesquisadores religiosos afirmam que a diminuição do número de fiéis americanos sugere que o país possa enfrentar o mesmo problema nos próximos anos. 

 Em 6 de janeiro de 2015 

 Fonte: postagem de Josiel Dias 

 Igrejas na Holanda viram bares, cafeterias e livrarias 

Os poucos religiosos que mantêm suas crenças, não são frequentadores assíduos dos templos. 

 Com 44% de sua população formada por ateus, as igrejas na Holanda estão se transformando em museus e cafeterias. 

 Assim como em outros países da Europa, a secularização tem esvaziados grandes templos religiosos, muitos deles históricos, que se tornaram vazios a ponto de serem vendidos pelas igrejas. 

 Sem recurso para manter esses prédios, a venda ou locação se tornou um meio legal para dar novas funcionalidades para os espaços onde centenas e até milhares de pessoas adoravam a Deus. 

 As antigas igrejas, então, passaram a ser ocupadas por empresários de diversos seguimentos, como livrarias, restaurantes, casas de show, cafés, salão de cabeleireiros e outros. 

 Antes formada por religiosos fiéis, hoje a população holandesa em sua maioria é formada por ateus, seguido por 28% de católicos, 19% de protestantes, 5% de muçulmanos e 4% de fiéis de outras crenças. 

 Ainda assim, muitos dos que se declaram religiosos não frequentam assiduamente os locais de celebração e cultos. 

 Os novos estabelecimentos estão agradando a população local e também os turistas. Como aconteceu na cidade de Maastricht onde a Igreja Dominicana de Maastricht se tornou a Livraria Selexyz, considerada hoje como uma das livrarias mais bonitas do mundo. 

 Já em Amsterdã, capital holandesa, encontramos o Paradiso, uma balada de bandas de rock que funciona em uma igreja construída no século 19. A igreja foi usada até o ano de 1965 e em 1968 já era usada como um centro de entretenimento. 

 Em Utrecht encontramos o Café Olivier, localizado onde antes funcionava uma igreja. O ambiente é bastante elogiado por turistas que afirmam que além da boa comida, o local tem “uma boa atmosfera”. Com informações Terra. 

 Em 25 de julho de 2016 

 Por Leiliane Roberta Lopes 

 Fonte: Gospelprime