Igreja cristã Celeiros
Voltar para a lista

Padre terá que indenizar casal por impedir aborto: "Ser condenado por Jesus é uma honra" 

O padre Luiz Carlos Lodi da Cruz foi condenado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a pagar R$ 60 mil por impedir um aborto autorizado pela Justiça. 

 Surpreso com a decisão, ele não se arrepende de defender a vida da criança. “Ao dizer que a vida humana é sagrada, eu acredito que, ou a gente aceita como uma verdade universal ou nós vamos cair nas atrocidades do nazismo. Eu ser condenado por causa de Jesus e com Jesus em um tribunal, para mim é uma honra. Eu não mereço, mas eu agradeço”, disse o padre em entrevista à TV Anhanguera. 


 Em 2005, o feto foi diagnosticado com uma síndrome que impede a vida fora do útero e sua mãe decidiu abortar. Como forma de impedir o ato, o sacerdote pediu um habeas corpus alegando que os pais iriam praticar um homicídio, segundo o STJ. 

 No momento em que a gestante estava internada para fazer o procedimento, ela foi notificada pela Justiça de Goiás, que acatou o pedido do padre. A mulher voltou para casa em Morrinhos, região sul de Goiás. O bebê nasceu oito dias depois, mas morreu em seguida. 

 O padre explicou que, na época, era estudante de direito e quis defender a criança. “A vida humana não vale por sua qualidade, nem pela sua duração. A vida humana vale em si mesma. A minha vida vale por eu ter sido criado à imagem e semelhança de Deus. Simplesmente por eu existir, eu já valho". 

 "A criança — o nome dela era Giovana — estava condenada à morte por uma sentença judicial. Sentença que tinha ilegalidade e abuso de poder, assim reconheceu o desembargador. Por isso, eu, que na época era estudante de direito, resolvi impetrar o habeas corpus em favor do neném para que o aborto não fosse realizado”, acrescentou o sacerdote. 

 Apesar de ser condenado por causar “sofrimento inútil” à família, Cruz acredita que “nenhum sofrimento é inútil”. “O sofrimento, se ele for aceito por amor, ele tem valor de redenção”, afirmou. 

 Sobre o pagamento do valor de R$ 60 mil estipulado pelo STJ, o padre afirmou que não tem dinheiro e não quer receber doações para realizar essa indenização.

Em 26 de outubro de 2016

Fonte: guiame.com.br com informações de G1