Legenda da imagem
 

INSTITUCIONAL

A igreja

­­

­

 

POR QUE CELEIROS? 

A Igreja Cristã Celeiros, dissociando-se em boa medida da mensagem evangélica hodierna, foca-se nas promessas de uma vida eterna, onde a abundância almejada é a da própria vida, plena, como Jesus prometeu (Jo 10:10). Nosso anseio é alcançarmos a cidade celestial (Hb 11:13-16 - Ap 21:1-7), preparada por Jesus para seus seguidores (Jo 14:1-3). Lá, esperamos receber a recompensa (Ap 22:12-14), reservada àqueles permanecerem fieis até a morte (Ap 2:10), aos "mais que vencedores" (Rm 8:35-39 - Ap 21:7).

Os bens que nos esforçamos por alcançar são imateriais, como a paz de Jesus (Jo 14:27), a plenitude de Deus e a felicidade permanente (Ap 21:1-4). Com esse firme propósito, a realização espiritual está em primeiro lugar (Mt 6:33). Evidentemente, em nossa humanidade queremos viver bem com nossas famílias e com nossos semelhantes, desfrutando de toda sorte de provisão, de harmonia social e de sossego em nosso espírito, mas aceitamos sempre a soberania de Deus. 

Sendo esse nosso objetivo, queremos ser o trigo o qual será reunido no celeiro do Senhor e não a palha ou o joio que serão lançados no fogo quando da consumação dos séculos (Mt 13:37-43).

Mas, enquanto esse dia não chega, pretendemos fazer de cada uma de nossas igrejas um celeiro de homens e de mulheres que se preparam para uma vida eterna com nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (Mt 13:30). 

"Deixem que cresçam juntos até à colheita. Então direi aos encarregados da colheita: Juntem primeiro o joio e amarrem-no em feixes para ser queimado; depois juntem o trigo e guardem-no no meu celeiro" (Mt 13:30) 

"Eu os batizo com água para arrependimento. Mas depois de mim vem alguém mais poderoso do que eu, tanto que não sou digno nem de levar as suas sandálias. Ele os batizará com o Espírito Santo e com fogo. Ele traz a pá em sua mão e limpará sua eira, juntando seu trigo no celeiro, mas queimará a palha com fogo que nunca se apaga". (Mateus 3:11-12) 

Enfim, assim como os apóstolos não se escandalizaram em Jesus, mesmo ao ouvirem as palavras mais difíceis, seguiremos o Mestre e sua mensagem do evangelho, mesmo quando ela nos pareça menos simpática. Afinal, Jesus tem as palavras de vida eterna: 

"Jesus perguntou aos Doze: "Vocês também não querem ir? Simão Pedro lhe respondeu: "Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. (Jo 6:67-68) 

 

PREPARAÇÃO PARA SERVIR A DEUS 

 Conquanto o crente é, no máximo, um vaso de barro (2 Co 4.7) por meio do qual Deus se revele, ele é o ponto vivo de contato entre o Senhor e aqueles que Ele procura para salvar "... pela loucura da pregação" (1 Co 1.21). A missão da pregação do evangelho foi conferida aos homens e não aos anjos. Por isso, todo crente tem a responsabilidade de pregar o evangelho do Senhor Jesus.

A igreja prepara as pessoas para serem úteis a Deus. Por isso todos devem estudar a palavra de Deus e buscar ter uma vida consagrada e cheia do Espírito Santo. Para isso, não há mágica. É necessário ler,  meditar, orar e jejuar. O crente não deve se esquecer que, a qualquer momento, pode ser chamado à pregação do evangelho, seja no trabalho, na escola, nas reuniões sociais etc. Para essas ocasiões não pode estar vazio. Ao contrário, deve saber o que falar (1 Pe 3.15).

Por fim, os conceitos da psicologia (conhecimento do comportamento humano) e de qualquer outra ciência são válidos para enriquecer uma exposição bíblica, mas nunca devem tomar o lugar da Palavra e nem substituir a centralidade de Cristo.

 

ENSINO BÍBLICO

Em tempos em que toda sorte de heresias se espalham com facilidade e penetram sorrateiramente para a destruição da verdade, é necessário que o ensino bíblico esteja adequadamente fundamentado na Palavra de Deus.  Isso favorece o crescimento dos membros e evita que sejam enredados por falsos ensinos. 

“Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição.” (2 Pedro 2:1 RA)

USOS E COSTUMES

 Perseguindo os objetivos essenciais da reconciliação e da comunhão do homem com Deus, a Igreja Cristã Celeiros não impõe usos e costumes, mas considera importante  o princípios bíblico da decência, dentro da moralidade média de cada cultura.

 

SISTEMA CONTRIBUTIVO E DISTRIBUTIVO 

A Igreja Cristã Celeiros não é mantida por meio de dízimos e de ofertas da lei, mas por livres contribuições daqueles que desejam o desenvolvimento do trabalho que vem sendo desenvolvido por este ministério. Uma vez recolhidas as participações individuais, os recursos servem às necessidades coletivas.

 

SANTIFICAÇÃO É FUNDAMENTAL! 

A santificação é fundamental, porque sem uma vida separada do pecado a comunhão com Deus fica prejudicada, desqualificando o crente em sua missão em favor do reino de Deus enquanto aqui nesta terra.

Entendemos que a santificação (Hb 12.14) denota separação do pecado e uma vida de purificação (1 Jo 3.1-3). Como disse o profeta Isaías, "... purificai-vos, os que levais os utensílios do Senhor" (Is 52.11). Sabemos que falar de santificação não é uma tarefa fácil nos tempos modernos, mas é inseparável da mensagem da cruz, pois ser santo envolve boa consciência (1 Tm 1.5,19; 2 Tm2.22), vida de oração (1 Tm2.1-5), bom testemunho (1 Tm 3.7), vida cheia do Espírito (At 6.3-5; Ef 5.18) e aplicação à leitura da Palavra (1 Tm 4.13). Ser santo implica, ainda, não se embaraçar com negócios dessa vida (2 Tm 2.4; 1 Tm 4.6; Hb 12.1,2). 

Confissão de fé

­­

­

GREJA CRISTÃ CELEIROS, Interdenominacional em espírito, cristã na mensagem, internacional no projeto, composta pela união de fiéis que se congregam para a pregação do Evangelho de Jesus Salvador em todo o mundo, tem os seus fundamentos doutrinários na Bíblia Sagrada, de onde se extraiu a seguinte Declaração de Fé: 

 1. Cremos que a Bíblia é a manifestação viva da palavra de Deus, verdadeira, imutável, firme, inspirada e infalível, escrita por santos homens do passado que foram movidos pelo Espírito Santo e por Ele inspirados. (2 Pe.1:21; Hb 1:1; 2 Tm 3:16) 

2. Cremos que Deus se revelou como Pai, Filho e Espirito Santo, sendo o Criador do céu, da terra e de tudo o que existe. (2 Co 13:14; Mc 12:29; Is 44:6; Cl 1:16; Jo 1:1; Mt 1:20; At 1:8). 

3. Cremos na divindade de Jesus Cristo, em seu nascimento virginal, em sua morte expiatória, em sua ressurreição corporal e em sua ascensão à destra do Pai.

4. Cremos que Jesus subiu ao céu e está vivo, intercedendo por nós à direita do Pai e que a Ele estão sujeitos tronos, principados, poderes e anjos. (1Ts 4:14; 1 Pe 3:22; Rm 8:34; Ef. 1:20; Cl 3:1; Hb 10:12; Hb 12:2; Ap 4,9-11). 

5. Cremos que o homem foi criado bom e justo, mas perdeu essa natureza por cair, voluntariamente, no pecado.

6. Cremos na ressurreição do último dia e que os mortos serão julgados por Deus enquanto os salvos habitarão na cidade celestial. (Gn 1:26-31; Rm 5:12; 19; Ap 20:12-15; Jo 14.2; Ap 22:4; Ap 7:15-17). 

7. Cremos que a salvação do homem está no reconhecimento e aceitação do sacrifício de Jesus Cristo que se entregou por toda a humanidade, derramando seu Sangue na cruz do calvário. (Hb 9:27; Is 53:5; Ap 5:9; Ef 2:8; Is.1:18).

8. Cremos que todos os que se arrependem, confessam e deixam seus pecados e creem em Jesus como seu Salvador e Senhor, são salvos pela graça, por meio da fé. (Ef.2:6-7; Rm.8:1; Rm 6:23; Rm 10:9). 

9. Cremos que a santificação, o temor a Deus, a humildade e a adoção do caráter cristão com produção do fruto do Espírito Santo, aliadas a um compromisso com a missão que Deus deu à igreja, levam os que creem em Jesus Cristo a uma vida vitoriosa. (Ef 5:25-27; Jo 3:7; 2 Co 5:17; Gl 2:20; Sl 1:1,2; 1º Ts 4:3; 2 Co 7:1; Mc 16:15; Pv 15:33; Pv.18:12; Lc 1:48; At 20:19; Cl 3:12; Gl 5:22-26). 

10. Cremos no batismo nas águas, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. (Mt 28:12; Rm 6.4). 

11. Cremos na comemoração e observância da ceia do Senhor Jesus Cristo.

12. Cremos na necessidade dos pais dedicarem os seus filhos ao Senhor Deus, apresentando-os na igreja, conforme a tradição da igreja primitiva. (Lc 22:16-20; 1 Co 11:28; 1 Sm 1:24, 28; Lc 2:22, 23; Ef 6:4; 2 Tm 3:15).

13. Cremos no batismo no Espírito Santo que reveste o crente com poder do alto.

14. Cremos que o Espírito Santo se manifesta de maneiras diversas.

15. Cremos que o Espírito Santo tem diversos dons a serem concedidos à igreja de Jesus.

16. Cremos que há diversidade no Ministério e na operação dos dons para edificação da igreja. (Jo 14:16,17; At 1:5-8; At 2:4; At 8:17; At 10:44-46; At 19:6; 1 Co 3:16; At 2:2,3; Mt 3:16; Ef 4:30; 1 Co 12:4; 1 Co 12:5,6; 1 Co 14:1,12; Rm 12:6).

17. Cremos na segunda vinda de Jesus Cristo, pessoal e iminente.

18. Cremos no arrebatamento dos crentes vivos, no mesmo momento da ressurreição dos mortos.

19. Cremos no reino milenar de Jesus, não literal.

20. Cremos no método literal e figurado de interpretação das profecias.

21. Cremos que é dever do crente identificar-se com a igreja visível de Cristo sobre a terra, dela participando e trabalhando para edificação do reino de Deus.

22. Cremos que o crente tem o direito e a liberdade de contribuir financeira e materialmente com a igreja.

23. Cremos que a igreja visível é uma congregação de crentes que se tem associado entre si, em comunhão e na unidade do Espírito, para observar as ordenanças de Cristo e trabalhar pela salvação dos que vierem a crer na mensagem do evangelho.

24. Cremos na diversidade de ministérios, que o bispo deve governar bem a igreja e sua casa, que o pastor não pode ser novo na fé ou imaturo.

25. Cremos que os presbíteros são dignos de duplos honorários (dupla honra), mas que devem trabalhar para não serem pesados à igreja.

26. Cremos que o ministro deve cumprir o seu ministério, observados os requisitos estabelecidos pela Palavra de Deus. (Sl 111:1; Rm 12:6-8; 2 Co 9:7; At 20:35; 1 Co 12:5; 2 Co 12-19; 1 Tm 3:4-5; 1 Tm 3:6-7; 1 Ts.1:7; Pv.11:30; Tg 5:20; Jo 4:35-37).

Princípios e valores

­­

­

FÉ EM DEUS E NO EVANGELHO DA SALVAÇÃO

Não adotamos a fé na fé.

Valorizamos o espiritual, a fé em Deus, em sua santa palavra e sentimos prazer na pregação do evangelho da salvação. 

Conjuro-te, pois, (...) que pregues a palavra, (...) Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.  (2 Timóteo 4.1-4)

 “... tu lhes dirás as minhas palavras, quer ouçam quer deixem de ouvir, pois são rebeldes. Mas tu, ó filho do homem, ouve o que eu te digo, não sejas rebelde como a casa rebelde; abra a boca e come o que eu te dou. (Ezequiel 2.7,8) 

 Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem. (1 Timóteo 4.16)

Crer em Deus, na sua santa palavra é fé. Ser um mensageiro desta fé é uma das tarefas mais sublimes que alguém possa desempenhar na Terra. E Paulo deixou claro isso quando disse: 

"Para o que fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios" (2 Tm 1.11).

 

JESUS É O CENTRO

 Fomos chamados a falar da eternidade e, por isso, gostamos de falar da vida e da obra de Jesus, bem como do projeto de salvação que foi posto Nele, que nos resgatou com o seu precioso sangue (1 Pe 1.18,19). A nossa mensagem do evangelho é cristocêntrica (At 2.2: 36), pois Jesus é o tema central das Escrituras e aparece em todos os seus livros, direta ou indiretamente. No Antigo Testamento, há várias profecias messiânicas que se cumprem na páginas do Novo Testamento (Dt 18.15-18; Jó 19.25; Sl 22.1,16; Is 9.6, etc.).

 

AMOR

 Em seu sentido secular, a palavra amor significa um sentimento. Sabemos disso, mas privilegiamos o “amor atitude”, visto o primeiro é instável e, muitas vezes, egoísta. O exemplo de entrega está em Jo 3:16, quando se afirma que o amor de Deus pelo mundo se manifestou em entregar seu filho unigênito. A entrega, entretanto, deve estar ligada à causa e à vontade manifesta de Deus, pois segundo 1 Co 13:3 qualquer entrega pessoal que vise vanglória, recompensa, reconhecimento ou interesse próprio (daquilo que pensamos e achamos) não aproveita a Deus, pois não o glorifica. Para conhecer os fundamentos de nossa compreensão, leia o texto "Amor de Deus: sentimento ou atitude?"

 

FAMÍLIA

 Tendo a comunhão com Deus como prioridade (Deus em 1º lugar), a família vem em seguida. Entendemos que o crente deve ser cuidadoso com a família. De nada adianta pregar com eloquência e correr para a igreja diariamente se em casa as coisas não vão bem. O servo de Deus e o pregador do evangelho devem viver bem com suas famílias (1 Tm 3.4,5). Inclusive, quanto à provisão, a orientação de Paulo, neste caso, é bem contundente: "... se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel" (1 Tm 5.8). Estamos seguros que a comunhão com Jesus e a harmonia no lar dão ao crente autoridade para ter êxito em seus trabalhos na igreja.

 

COMUNHÃO COM DEUS E COM OS IRMÃOS

 É necessário ter comunhão íntima com o Senhor e com os irmãos, para ser chamado de "homem de Deus" (1 Tm 6.11). 

Nada há nesse título para tornar o crente altivo e soberbo. Ao contrário disso, o servo do Senhor escolhe ser humilde. Ele é consciente da grande responsabilidade que é ser o sal da terra e a luz do mundo. Ser um homem de Deus significa apresentar Jesus aos homens (2 Rs 4:9). Como? O Senhor tem atributos comunicáveis: bondade, amor, misericórdia, justiça e imparcialidade, humildade e santidade. Na qualidade de homem de Deus, esses atributos devem ser notados na vida do crente. 

(1 João 1:7 RA) “ Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.” 

(Salmos 133:1 RA) “ Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!”

 

DESENVOLVIMENTO DAS VIRTUDES CRISTÃS

Afora a fé, a esperança, a santidade e a caridade (amor ágape - atitude), há virtudes morais que aperfeiçoam o comportamento humano e que todo cristão deve perseguir, a exemplo da humildade, da justiça, da honestidade, da amabilidade, da bondade, da misericórdia, da sinceridade, da lealdade, da fidelidade, da obediência, da laboriosidade (trabalho, disposição, esforço e diligência), da mansidão, da discrição, da prudência, da fortaleza (equilíbrio emocional), do domínio próprio, da temperança, da paciência e da alegria.

Assim, uma vez que todas essas virtudes podem ser observadas no comportamento de Jesus e nos ensinamentos destinados à igreja, as reuniões dos crentes não devem se limitar a apresentar os valores espirituais, mas também as virtudes cristãs (valores morais), para que o crente possa aprender a santificar seu corpo, sua e seu espírito, crescendo no conhecimento e na graça de Jesus.

 

HUMILDADE

Entre as virtudes cristãs, é preciso colocar em destaque a humildade, pois esta deve ser uma característica do crente. "A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda" (Pv 16.18).Temos consciência que não existem pessoas 100% humildes. A vaidade sempre ronda os corações em determinados momentos. E Deus, que conhece a nossa estrutura (Sl 103.14), nos entende perfeitamente (2 Co 10.13). No entanto, o problema do soberbo é que ele permanece nesse erro até cair (Is 14.12¬15; Dn 4). O "eu" deve ser destronado do coração do crente, caso ele queira ver resultados em seu ministério (Gl 2.20; Jo 3.30). Deve aprender com Jesus, que foi manso e humilde de coração (Mt 11.28-30) e rejeitou a soberba. Embora o Senhor seja excelso, atenta para o humilde e rejeita os soberbos (Sl 138.6; 1 Pe 5:5,6).

 

CURA DA ALMA

  Além do aperfeiçoamento pelo desenvolvimento de virtudes cristãs, não há como negar que muitas pessoas, ao longo de suas vidas, passam por desgastes emocionais e até mesmo traumas que precisam ser tratados adequadamente. Por isso, apesar do objetivo principal da igreja ser a busca por valores eternos, sempre que necessário as reuniões da igreja devem incluir, em dias apropriados ou seminários, ensinamentos, tratamentos espirituais e reuniões cristãs para ajudar as pessoas a curarem suas almas e a mantê-las saudáveis, libertas tanto da ação maligna (possessões e opressões) como de influências psíquicas prejudiciais ao equilíbrio emocional.

 

RESPONSABILIDADE

O trabalho realizado pela igreja é extremamente importante, podendo conduzir pessoas a Deus ou afastá-las em razão de testemunhos ou comportamentos, bons ou maus. Considerando que tratamos com uma matéria prima valiosa aos olhos de Deus, devemos ter esse mesmo sentimento e responsabilidade para com as pessoas, sejam crentes ou não-crentes.

 

RESPEITO

Respeitamos as opiniões diferentes das nossas, mesmo  não podendo compartilhar delas. Entretanto, somos livres para expressar nosso entendimento sobre aquilo que consideramos ser a opção mais aderente aos ensinamentos bíblicos.

 

LEITURA DA BÍBLIA

Esta é a melhor literatura, portanto a consideramos preferencial, sem desmerecer os bons livros que auxiliam no conhecimento histórico, cultural e demais interpretações sobre o seu conteúdo. Sem a leitura diária da bíblia e o seu conhecimento, a referência se perde e o crente pode ser levado ao engano.

 

JEJUM E ORAÇÃO

 O jejum e a oração devem ser princípios de vida espiritual cristã equilibrada, pois é  necessário buscar de Deus com intensidade para que o seu poder se manifeste.

 

GRAÇA E EQUILÍBRIO

 Não podemos nos conformar com este século, mas também não queremos desenvolver atitudes e ensinamentos extremistas. Não podemos, em razão do perigo do secularismo, abraçar o outro extremo - o legalismo. Estamos no período da graça! Devemos agir com equilíbrio, sabendo discernir entre o bem e o mal, entre o certo e o errado. E isso só é possível quando a palavra de Deus tem a primazia (Hb 5.12-14).A Bíblia Sagrada diz: "Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz escuridade; fazem do amargo doce, e do doce, amargo!" (Is 5.20).

F­­AÇA PARTE DESTE PROJETO!

Se você se identifica conosco e gostaria de fazer parte deste projeto, contate-nos: 

 celeiros.df@gmail.com

ou pelo facebook nos seguintes endereços: 

 https://www.facebook.com/groups/celeiros/  - https://www.facebook.com/groups/celeiros/.