Igreja cristã Celeiros

Pessoas que se declaram não religiosas ultrapassam evangélicas nos EUA

Pesquisa revela que 23,1% dos entrevistados se declararam de “nenhuma religião” enquanto 22,8% disseram ser evangélicos.

O número de não religiosos nos Estados Unidos agora é estatisticamente ligeiramente acima do número de evangélicos, de acordo com um cientista político que analisou os dados da Pesquisa Social Geral (General Social Survey - GSS), feita em 2018 e recém-divulgada.

A GSS, um projeto bienal administrado pelo Centro Nacional de Pesquisa de Opinião (National Opinion Research Center - NORC) da Universidade de Chicago, foi lançada esta semana e mostrou como o panorama religioso dos Estados Unidos está mudando.

Ryan Burge, pesquisador de ciência política na Eastern Illinois University, analisou os dados da pesquisa. Ele usou um código de classificação Reltrad (tradição religiosa) para compensar a oversample (uma sobreamostra) de afro-americanos dados anteriores.

De acordo com os dados de Ryan, 23,1% dos entrevistados eram pessoas de “nenhuma religião”, enquanto aqueles que são evangélicos – de qualquer raça, não apenas brancos – representavam cerca de 22,8% do total.

Leia mais

República Islâmica do Irã prende seis ex-muçulmanos por se converterem a Cristo

Se declarar um cristão convertido na República Islâmica do Irã significa colocar a sua vida em risco permanente. Isso, porque, não é permitido abandonar o islamismo para adotar outra religião. Essa é uma determinação do Estado, fundamentada na própria doutrina legislativa muçulmana, ou “sharia”.

Em consequência disso, inúmeros ex-muçulmanos são perseguidos, torturados, presos e até executados por causa da fé em Jesus Cristo. Foi o que aconteceu, por exemplo, com seis cristãos recém-convertidos na cidade de Rasht, no Norte do Irã.

Khalil Pour-Dehghan, Hossein Kadivar, Abdolreza Ali Haghnezhad, Kamal Nemanian, Mohammad Vafadar e Mohammad Eslamdoost foram presos porque decidiram abandonar o islamismo para seguir o Evangelho de Jesus Cristo. Eles optaram conscientemente abrir mão da própria liberdade por amor à única Verdade revelada por Deus.

Leia mais

Pastor é brutalmente espancado por muçulmanos quando voltava de culto

Um pastor evangélico identificado apenas pelo nome Abdul, por razões de segurança, foi brutalmente espancado quando voltava de um culto em uma igreja doméstica, na Somália. Ele precisou ser levado as pressas para um hospital local, onde se recupera dos graves ferimentos.

O caso ocorreu na última sexta-feira (08), quando Abdul estava indo para a sua casa. Com 30 anos e pai de três filhos, ele contou detalhes do momento em que se deparou com um grupo de muçulmanos, da etnia somali, que já estava espreitando suas ações.

“Temos acompanhado seus movimentos e seus planos malignos de mudar os muçulmanos para o cristianismo”, disseram os agressores ao pastor no momento da abordagem, segundo informações do Morning Star News.

“Imediatamente vários assaltantes começaram a me bater com tacos de madeira e fiquei inconsciente”, disse o pastor Abdul. “Acordei e me vi cercado por vizinhos. Fui resgatado pelos vizinhos que me encontraram em uma poça de sangue”.

Leia mais

Ataque mata 6 cristãos e força mais de 470 a fugirem de aldeia no Congo

O ataque aconteceu em uma aldeia cristã em Kivu do Norte, ao leste da República Democrática do Congo.

Seis cristãos, incluindo três mulheres e uma criança de 9 anos, foram mortos em um ataque na aldeia cristã de Kalau, próxima à cidade de Beni, em Kivu do Norte, ao leste da República Democrática do Congo. O ataque que durou quatro horas, das 19h às 23h, forçou cerca de 470 pessoas a fugirem de suas casas.

De acordo com fontes da organização Portas Abertas, que divulgou as informações no último sábado (16), os militantes — parte das Forças Democráticas Aliadas — fingiram ser agentes de segurança quando chegaram à aldeia. Alguns jovens ficaram desconfiados e ativaram o alarme. A milícia então atirou indiscriminadamente contra os aldeões.

As Forças Democráticas Aliadas foram criadas em 1995 por rebeldes muçulmanos de Uganda para se opor ao governo depois que eles foram expulsos do país pelo Exército.

Uma enfermeira do hospital de Nyankunde, em Beni, disse à Portas Abertas por telefone que os militantes foram em direção à casa do chefe da aldeia. O som dos disparos contra seus cães de guarda fez as pessoas correrem. Dois aldeões que tentaram fugir foram mortos.

Leia mais

Mais de 120 são mortos em comunidades cristãs da Nigéria desde fevereiro

O aumento da violência é provocada por conflitos entre agricultores e militantes Fulani.

Pelo menos 120 pessoas foram mortas em uma série de ataques da milícia Fulani contra comunidades cristãs na região de Adara, no sul do estado de Kaduna, na Nigéria, desde fevereiro, segundo a organização Christian Solidarity Worldwide (CSW).

A CSW informou que apenas em um ataque na última segunda-feira (11), 52 pessoas morreram e 100 casas foram destruídas nas aldeias de Inkirimi e Dogonnoma, em Maro, na região do governo de Kajuru. Mulheres e crianças estão entre as vítimas.

Sobreviventes do ataque disseram à CSW que os militantes se dividiram em três grupos; um fazia os disparos, outro incendiava as casas e o terceiro interceptava os aldeões em fuga.

Mais tarde, no mesmo dia, dezenas de pessoas ficaram feridas e 43 casas foram destruídas em ataque feito em outra aldeia por militantes Fulani.

Leia mais

11 cristãos são mortos por dia por sua fé em Jesus, segundo levantamento

De acordo com uma análise da Portas Abertas, a perseguição contra os cristãos está no índice mais alto da história.

A perseguição contra os cristãos está no índice mais alto da história moderna. De acordo com um levantamento da organização Portas Abertas, cerca de 11 cristãos são mortos diariamente por causa de sua fé, nos 50 principais países classificados na Lista Mundial de Perseguição em 2019.

Veja abaixo os 10 países mais perigosos do mundo para ser um cristão — lugares onde dizer “sim” para Jesus é uma decisão de vida ou morte:

Coreia do Norte

Por três gerações, o país concentrou-se em idolatrar a dinastia Kim. Havia esperança de que novos esforços diplomáticos em 2018 — incluindo as Olimpíadas de Inverno — pudessem provocar uma diminuição da violência contra os cristãos, mas nada mudou.

Relatórios indicam que as autoridades locais estão aumentando os incentivos para quem delatar um cristão. Quando um cristão é descoberto, ele não só é morto ou deportado para campos de trabalho forçados, mas sua família é condenada ao mesmo destino até a quarta geração.

Leia mais

Seis homens são presos no Irã por se tornarem cristãos

Dezenas de outros cristãos convertidos foram presos na última década no Irã, alguns recebendo longas penas de prisão.

A segurança iraniana prendeu seis cristãos convertidos na cidade de Rasht, no norte do Irã, em fevereiro, segundo informações da Rádio Farda. A conversão para outra religião é proibida no Islã e em países onde a lei religiosa Sharia se aplica.

O Irã regularmente prende cristãos convertidos, que podem ser processados. Segundo fontes, o número de presos por conversão ao cristianismo tem aumentado nos últimos anos, atingindo dezenas de milhares ou mais, de acordo com algumas estimativas.

Os nomes dos presos foi informado: Khalil Pour-Dehghan, Hossein Kadivar, Abdolreza Ali Haghnezhad, Kamal Nemanian, Mohammad Vafadar e Mohammad Eslamdoost.

Dezenas de outros cristãos convertidos foram presos na última década no Irã, alguns recebendo longas penas de prisão.

Leia mais

Cristãs contam que estupro é método "comum" de perseguição na cultura islâmica

Segundo relatório da Portas Abertas (EUA), mulheres cristãs são duplamente perseguidas em países de fé islâmica.

Rita, uma mulher cristã da cidade iraquiana de Qaraqosh, tinha 26 anos quando terroristas do Estado Islâmico invadiram sua cidade e a levaram cativa. Ela foi vendida e comprada quatro vezes como escrava sexual antes de ser libertada em 2017 e se reencontrar com seu pai em abril — quase quatro anos depois que foi levada cativa, quatro anos depois de espancamentos, estupros, escárnio, intimidação e isolamento.

“Os terroristas do EI enxergam as mulheres como bens que podem comprar, vender e torturar por desobediência”, disse ela.

Há dois anos, Aisha, uma mulher de 28 anos e mãe de três filhos na Nigéria (12º lugar no ranking de perseguição religiosa listado pela Missão Portas Abertas), encontrou-se cara a cara com os extremistas islâmicos Fulani. Durante um ataque a sua comunidade chamada Kano, no norte do país, eles invadiram sua casa. Uma Bíblia na sala foi um “sinal claro” para eles de que o marido dela seria um pastor. Imediatamente, eles o agarraram e o levaram embora. Então os homens exigiram que ela tivesse relações sexuais com eles. Quando ela recusou, eles a espancaram. Naquela noite, Aisha foi estuprada por dois homens.

Leia mais

Oficial dos EUA vai à China e denuncia perseguição religiosa: “Estão em guerra com a fé”

Em discurso em Hong Kong, o embaixador dos EUA para a liberdade religiosa disse que a China poderá sofrer sanções por seus abusos religiosos.

O embaixador dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional, Sam Brownback, denunciou os abusos do governo chinês contra cristãos, muçulmanos e budistas tibetanos durante sua viagem à China no fim de semana.

“Parece que o governo chinês está em guerra com a fé. É uma guerra que eles não vão ganhar”, disse Brownback em discurso no Clube dos Correspondentes Estrangeiros em Hong Kong na última sexta-feira (8). “O Partido Comunista Chinês deve ouvir o clamor de seu povo pela liberdade religiosa”.

Brownback levantou a questão dos “campos de reeducação” de Xinjiang, no extremo oeste da China, onde estão detidos mais de 1 milhão de muçulmanos uigures. Ele também citou outras medidas usadas por Pequim para reprimir a religião, incluindo a repressão às igrejas cristãs clandestinas. Ele ainda pediu a libertação dos pastores John Cao e Wang Yi, ambos presos com acusações falsas.

“De alguma forma, homens e mulheres de fé são vistos como uma ameaça ao Partido Comunista Chinês”, destacou o embaixador-geral. “Está claro que as políticas mal orientadas e cruéis da China em Xinjiang estão criando ressentimento, ódio, divisão, pobreza e raiva”.

Leia mais

Igrejas são invadidas e cristãos multados por orar sem permissão no Cazaquistão

Os cristãos estão sob vigilância quase constante e devem manter as autoridades informadas sobre suas atividades.

Duas igrejas batistas em Taraz, Cazaquistão, foram invadidas por oficiais antiterrorismo e policiais locais durante cultos em 10 e 17 de fevereiro. O objetivo era multar os fiéis por realizarem orações sem a permissão do governo.

Três pessoas foram multadas em valores que variam entre um e dois meses de salário médio e dois outros fiéis receberam multas oficiais, informou o The Express.

Aqueles que compareceram às igrejas foram advertidos contra praticar publicamente sua fé - ou arriscar punição adicional.

O Cazaquistão está listado como número 34 na lista de Observação Mundial da Portas Abertas dos EUA, de 2019, dos 50 principais países onde é mais perigoso seguir Jesus.

O governo está constantemente trabalhando para manter e aumentar seu controle sobre a sociedade, usando vigilância, ataques e detenções. Os cristãos estão sob vigilância quase constante, e a ameaça do islamismo militante é usada como uma desculpa para restringir as liberdades, resultando em piora das condições para a minoria cristã, segundo o site da Portas Abertas americana.

Leia mais

Agressão contra os cristãos na Índia sobe para 57% em 2019

Relatório da Associação Evangélica da Índia denuncia sequestros, estupros e assassinatos de cristãos no país.

Os casos de ódio e violência contra cristãos na Índia aumentaram 57% nos primeiros dois meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, informou a Comunhão Evangélica da Comissão de Liberdade Religiosa da Índia (EFIRLC).

O grupo de defesa religiosa documentou 77 incidentes de ódio e violência dirigidos contra cristãos em janeiro e fevereiro, acima dos 49 casos registrados no mesmo período do ano passado. Os casos incluem os assassinatos de um cristão no estado de Odisha e outro no estado de Chhattisgarh, ambos em fevereiro.

“Temos razões para acreditar que os dois homens, que estavam na faixa dos 40 anos, foram mortos por causa de sua fé”, disse o pastor Vijayesh Lal, secretário geral da EFI.

“Registramos casos em que cristãos têm enfrentado boicote social e foram excomungados de suas aldeias e, em alguns casos, tiveram que fugir para salvar suas vidas”, denuncia.

Dos 77 incidentes, 16 ocorreram no estado de Tamil Nadu, 12 em Uttar Pradesh, seis em Maharashtra e cinco em Chhattisgarh, segundo o relatório. Os estados de Andhra Pradesh, Bihar, Jharkhand e, surpreendentemente, Kerala, cada um viu quatro casos, seguidos por outros estados, Vijayesh Lal.

Leia mais

Multidão muçulmana ataca 10 igrejas na Etiópia

Além de propriedades das igrejas, ataques destruíram Bíblias, livros de música, instrumentos, bancos e cadeiras.

Os cristãos de uma cidade no sul da Etiópia ficaram chocados quando muçulmanos locais atacaram 10 igrejas, no início de fevereiro, destruindo e queimando propriedades, além de Bíblias, livros de música, instrumentos, bancos e cadeiras, de acordo com agências de ajuda humanitária.

Cantando o slogan jihadista “Allahu akbar [Deus é grande]”, os muçulmanos em Halaba Kulito tiveram como alvos edifícios de culto pertencentes a oito denominações, informaram as agências de ajuda Steadfast Global e Voice of the Martyrs-Canada. O edifício da igreja de Kale Hiwot Galeto foi completamente destruído.

“A multidão enfurecida de moradores muçulmanos de todas as idades de toda a cidade se dirigiu às igrejas cantando 'Allahu Akbar' depois de receber informações falsas de que uma mesquita na área rural tinha sido bombardeada”, disse um representante da Steadfast Global, cujo anonimato foi solicitado.

O ativista conta que “o conteúdo de todas as igrejas foi removido dos edifícios e incendiado na rua”.

Leia mais

Partido Comunista oferece recompensas para quem delatar cristãos na China

As recompensas podem variar de 15 a 1.500 dólares.

As autoridades chinesas estão agora tomando medidas nas áreas rurais da China para intensificar a repressão em curso em reuniões cristãs, muitas vezes conhecidas como igrejas domiciliares. O Partido Comunista Chinês (PCC) está recorrendo a recompensas monetárias para qualquer um que espiar um vizinho, um membro da família ou delatar um grupo de crentes às autoridades.

Nos documentos obtidos pela revista Bitter Winter, as recompensas em dinheiro são explicitadas com base no relatório específico e seu impacto. Por exemplo, um documento emitido por um subdistrito na cidade de Nanyang, na província de Henan, na China, afirma que qualquer um que descubra e informe um grupo de crentes receberá uma recompensa de 200 a 1.000 RMB (cerca de US $ 30 a US $ 150).

Denunciar alguém por fazer ou espalhar imagens sacras ganha uma recompensa de US $ 75 a US $ 300. E se o relatório tiver um impacto significativo, a recompensa será de US $ 750 a US $ 1.500. Transformar-se em um crente d’A Igreja do Deus Todo Poderoso (o maior movimento religioso chinês, filiado ao Partido Comunista) traz de US $ 15 a US $ 300.

Leia mais

Grupo internacional diz que refugiados cristãos sofrem perseguição da ONU

O número de exigências impostas aos refugiados cristãos que saem do Paquistão para buscar abrigo na Tailândia são absurdas, denuncia o grupo de defesa internacional Jubilee Campaign USA, chefiado pela advogada americana Ann Buwalda.

Ann esteve na última terça-feira (27) em um encontro com membros do Congresso americano que integram o subcomitê de Relações Exteriores da Câmara, para dar detalhes das informações que tem colhido sobre o asilo de refugiados cristãos na Tailândia.

Atualmente, cerca de 3.000 a 4.000 refugiados cristãos paquistaneses vivem na Tailândia. No entanto, ao solicitar a oficialização de asilo ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), órgão que pertence à Organização das Nações Unidas (ONU), eles encontram uma série de dificuldades.

“Descobrimos que em muitos dos casos no ACNUR em Bangcoc, há negações porque há um padrão não razoável e ônus de prova colocados sobre eles”, explicou a advogada.

A suspeita é que os funcionários da ACNUR estão criando empecilhos para conceder abrigo aos cristãos, muitos dos quais fugidos do radicalismo islâmico, criando exigências desproporcionais para tentar barrar a permanência deles na Tailândia.

Leia mais

Igreja cristã na Turquia é alvo de ataque de ódio: “Vocês estão acabados”

Com pichações ameaçadoras, cristãos veem aumentar número de discurso de ódio contra sua comunidade.

Um grupo de cristãos pediu à Turquia que tome medidas imediatas para combater os crimes de ódio contra aqueles que praticam a fé. A reclamação foi feita depois que vândalos desfiguraram uma igreja com pichações ameaçadoras em Istambul.

As mensagens foram pichadas com palavras de ameaças escritas em uma em inglês e árabe avisando: “Vocês estão acabados”. Câmeras de segurança registraram os vândalos pulverizando “discurso racista e de ódio” nas paredes e na porta da Igreja Armênia, segundo relatórios da International Christian Concern (ICC).

O incidente provocou condenação generalizada de toda a comunidade armênia da Turquia, que, segundo o órgão de fiscalização, é frequentemente assediada e alvo de crimes de ódio.

Um relatório recente de uma associação protestante sugeriu que os cristãos que viviam na Turquia estavam preocupados com o crescente discurso de ódio contra suas comunidades.

Muitas famílias cristãs tiveram que deixar o país devido a campanhas intensificadas em mídias tradicionais e sociais, retratando os cristãos como espiões e sendo alinhados com grupos terroristas.

Leia mais

Aumento da perseguição aos cristãos na Índia supera outros países da Ásia

Os ataques aos cristãos nos país têm sido considerados extremos e assustadores por entidade ligada ao Portas Abertas.

Um especialista em perseguição religiosa do The Charity, uma organização beneficente cristã ligada ao Portas Abertas, revelou que, surpreendente, a Índia está se tornando o país da Ásia onde a perseguição aos cristãos tem sido considerada extrema e assustadora nos últimos cinco anos.

Segundo relatórios, o país tem registrado ataques são violentos aos cristãos com prisões, torturas, penas de morte e decapitações.

Segundo o funcionário da The Charity, cujo nome não foi revelado, eles estão surpresos com a perseguição que vem acontecendo na Índia, que cresce há cinco anos.

Ele conta que a perseguição é mais acirrada em determinados estados como, como Odisha e Pradesh. “Podemos definitivamente ver nesses lugares uma verdadeira escalada de violência e perseguição”, diz.

O funcionário acrescentou que uma narrativa de que o cristianismo não faz parte da identidade indiana está começando a se desenvolver entre muitos políticos de alto escalão, que implantam um sentimento nacionalista na população como estratégia de banir o cristianismo. “Se é da Índia tem que ser hindu”, eles dizem.

Leia mais

Cristão recém-convertido é decapitado em rua da Índia

A conversão de Anant despertou a ira dos aldeões, em sua maioria fanáticos hindus.

Um homem evangélico cristão foi decapitado em Orissa por causa de sua fé. Anant Ram Gand tinha 40 anos, era casado e pai de cinco filhos. Há nove meses ele tornou-se cristão e foi batizado há dois meses na Igreja Evangélica, mas sua conversão não foi aceita pelos radicais da aldeia.

A conversão de Anant despertou a ira dos aldeões, em sua maioria fanáticos hindus. Eles armaram o Naxal (guerrilheiro maoísta indiano) para assassiar Anant.

A denúncia foi feita por Shibu Thomas, fundador da Rede de Alívio da Perseguição (Persecution Relief), que lida com a defesa de cristãos discriminados na Índia. “Queremos liberdade de culto”, disse ele sobre as reivindicações dos cristãos indianos.

“Como presidente do grupo, peço ao primeiro-ministro e ao ministro-chefe do Estado que ordene uma investigação. O governo deve indenizar a família e cinco crianças pequenas. Ele deve falar claramente contra a perseguição dos cristãos e proteger a liberdade de culto”, disse o líder cristão.

Leia mais

Família de cristãos presos na China denuncia: "São espancados até a morte"

Por não negar a fé, os crentes estão perdendo suas liberdades e o contato com suas famílias.

O regime comunista chinês considera criminosa toda pessoa que diz acreditar em Deus. Por esta razão, o país hoje tem centenas de presos por não negar sua fé e, para piorar, elas ficam proibidas de receber visitas inclusive de seus familiares mais próximos, como os pais.

Bei Shuqi, membro da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG), foi presa em 2017 na cidade de Daqing, no nordeste da província de Heilongjiang, apenas por acreditar em Deus. Depois de ser detida ilegalmente por mais de um ano, ela foi finalmente sentenciada a dois anos e dez meses de prisão.

Sua família não foi alertada sobre a prisão, o processo judicial ou a sentença que ela recebeu. Quando a mãe de Bei Shuqi finalmente soube onde sua filha estava presa, fez três viagens de sua casa na província de Liaoning até Heilongjiang, mas teve o acesso negado para ver sua filha.

No início de 2019, a mãe de Bei finalmente recebeu um aviso de visitação. Na prisão, do outro lado do vidro, ela viu o rosto pálido e inchado da filha. “Mãe, não se preocupe comigo. Eu posso voltar para casa em 2020”, disse a filha para consolar sua mãe.

Leia mais

Famílias dos cristãos degolados pelo Estado Islâmico: "A morte deles nos reavivou"

Na última sexta-feira a execução de 21 cristãos pelo Estado Islâmico em uma praia da Líbia completou 4 anos.

"Nós só conhecíamos o martírio dos filmes, mas o martírio foi reintroduzido e fortaleceu nossa fé, porque essas pessoas, esses 21 mártires, viveram entre nós". O relato do egípcio Malak mostra como a reintrodução do martírio nos dias modernos em escala mundial é especialmente preocupante e impactante para a igreja no Egito.

Ele é o pai de um dos 21 mártires mortos pelos terroristas do Estado Islâmico na costa da Líbia. Poucos esquecerão as imagens gráficas das decapitações em massa em um vídeo lançado e amplamente visto on-line em todo o mundo.

A última sexta-feira (15), marcou o quarto aniversário das mortes de 20 cristãos coptas do Egito (coptas são os cristãos nativos do Egito) e um cristão de Gana — todos os 21 foram mártires por sua fé cristã.

Nos dias e semanas que antecederam a sua morte, os sequestradores do Estado Islâmico teriam torturado os homens que viajaram os 1.200 quilômetros até a Líbia para encontrar trabalho e sustentar suas famílias. Os terroristas tentaram persuadi-los a negar a Jesus em troca de suas vidas. Todos eles se recusaram. De fato, durante a execução bárbara, os homens repetiram as palavras "Senhor Jesus Cristo" pouco antes de serem degolados.

Leia mais

Cristãos chineses cultuam a Deus em meio a escombros de igrejas destruídas

Prédios atacados pelo regime comunista ficam em ruínas, mas continuam sendo usados para cultos.

Considerando a atual campanha contra o cristianismo na China, não é surpresa que o regime comunista não só se recuse a aprovar os pedidos para qualquer construção e reforma de locais religiosos que estão deteriorados, como destrói os já existentes.

Tem sido parte de sua política de perseguição destruir e demolir locais sagrados e de cultos, especialmente para o cristianismo. Como resultado, os cristãos têm se reunido em meio aos escombros dos edifícios que foram danificados pela ação das autoridades, sem desistir de sua fé.

Para piorar a situação dos crentes, as autoridades chinesas também estão indo atrás deles mesmo nesses locais destruídos para impedi-los de cultuar apesar das condições precárias.

“Os crentes que realizam suas reuniões em um edifício dilapidado estão se encontrando em circunstâncias terríveis - como as da Igreja Chenqiao, no condado de Zhongmou, sob a jurisdição da cidade de Zhengzhou, na província central de Henan”, reporta o Bitter Winter.

Leia mais
Carregar mais