Igreja cristã Celeiros
Voltar para a lista

Pena de morte e expulsão da família são castigos para quem se torna cristão no Iêmen

No país mais pobre do Oriente Médio, a perseguição que os cristãos enfrentam é “extrema” e as igrejas são destruídas.

O Iêmen é um país mergulhado em uma guerra civil desde 2011, o que tem provocado a pior crise humanitária do mundo hoje. Cerca de 80% dos iemenitas dependem de ajuda externa, que em geral é canalizada através das tribos e linhas familiares, das quais os cristãos são comumente desconectados, afirma o Portas Abertas.

O país árabe tem uma população de cerca de 28 milhões de pessoas. Com maioria muçulmana, os cristãos, judeus, bahais e hindus compõem menos de 1% da população, segundo o Relatório de Liberdade Religiosa Internacional do Departamento de Estado dos EUA. Muitos dos cristãos (a maioria católicos romanos e anglicanos) são refugiados ou residentes estrangeiros temporários.

O Islã é a religião do estado e a Sharia (lei islâmica) é a fonte de toda a legislação. Tentar converter muçulmanos é ilegal e a conversão do Islã para outra religião é a apostasia, uma ofensa capital.

De acordo com o Portas Abertas dos EUA, a perseguição que os cristãos enfrentam no Iêmen é “extrema”. Tornar-se cristão no Iêmen é punível com pena de morte ou expulsão da família.


“Eles enfrentam perseguição das autoridades (incluindo detenção e interrogatório), suas famílias e grupos islâmicos radicais que ameaçam convertidos à morte se não se reconvertem”, observa o relatório.

Ele diz ainda que “a lei tribal proíbe os membros de deixar a tribo; a punição por denunciar o Islã pode ser a morte ou o banimento. Tanto homens como mulheres convertidos ao cristianismo, casados ​​com muçulmanos, se arriscam a se divorciar, incluindo a custódia de seus filhos. Os cristãos sofrem a crise humanitária geral”.

Os cristãos iemenitas são também vulneráveis, uma vez que a ajuda de emergência é distribuída principalmente através de organizações islâmicas e mesquitas locais. Estes grupos supostamente discriminam todos os que não são considerados muçulmanos piedosos, afirma o relatório.

Perseguição e fuga

Devido ao caos produzido pela guerra civil, é muito difícil reportar incidentes violentos contra cristãos. Muitas vezes eles escapam da morte ao fugir para outros lugares. Mas sabe-se que ao menos 27 cristãos foram mental ou fisicamente agredidos como resultado de sua fé e da guerra.

Pelo menos 5 famílias tiveram que deixar suas casas e ser realocadas no interior, por razões relacionadas à fé. Como em média uma família é composta por sete pessoas, isso significa 35 pessoas. Além disso, a pressão por parte da família levou alguns cristãos ex-muçulmanos iemenitas a fugir do país.

Os cultos privados se tornaram ainda mais arriscados para os cristãos, tanto em áreas controladas por rebeldes houthis como em áreas “liberadas” pelas forças sunitas apoiadas pela Arábia Saudita e seus aliados ocidentais. A Al-Qaeda na Península Arábica e o Estado Islâmico operam livremente em grande parte do país.

Os edifícios onde cristãos ou estrangeiros de países cristãos estavam trabalhando foram alvo no decorrer do conflito. Por exemplo, em março de 2016 uma casa de repouso para idosos e deficientes foi diretamente atacada por assaltantes, conectados ao Estado Islâmico.

O número de cristãos ex-muçulmanos nativos é estimado em apenas alguns milhares, mas aparentemente está crescendo, segundo o Portas Abertas. Na atual situação de guerra, os principais agentes de perseguição são grupos extremistas islâmicos e a família.

Igrejas destruídas

A maior autoridade islâmica saudita, o Grande Mufti, emitiu uma fatwa (pronunciamento religioso específico) em 2012, pedindo a destruição de todas as igrejas cristãs na Península Arábica, que inclui necessariamente o Iêmen.

Depois que os legisladores no Kuwait fizeram um esforço para aprovar leis que proíbem a construção de novas igrejas em 2015, o Grande Mufti repetiu esse apelo e disse que a destruição de todas as igrejas na região era absolutamente necessária e exigida pela lei islâmica.

A cidade portuária de Aden, a capital temporária do Iêmen, tem apenas quatro edifícios de igreja ainda de pé, três católicos romanos e a anglicana Christ Church Aden.

Além dessas igrejas oficiais, não são permitidos prédios de igreja. No entanto, cultos semanais discretos são realizados em instalações privadas em algumas cidades.

Quase todos os estrangeiros ocidentais já deixaram o país por razões de segurança. A igreja secreta, que é composta por alguns milhares de convertidos ao cristianismo, constitui a maioria da igreja do Iêmen agora.

Eles formam pequenas comunidades domésticas, encorajam um ao outro a edificar famílias que adoram juntas e construir uma comunidade que permanece unida na perseguição.

Em 6 de fevereiro de 2019

Fonte: guiame