Igreja cristã Celeiros
Voltar para a lista

Perseguição religiosa na China cresce de tal modo que dificulta sua classificação

Um relatório da Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional apontou a China como um país de crescente perseguição religiosa.

A perseguição religiosa na China ficou em primeiro plano, após a Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional divulgar seu 20º relatório anual na manhã de segunda-feira.

Com fotografias na capa, mostrando manifestações contra a prisão de milhares de muçulmanos uigures na China, a comissão independente e bipartidária ordenada pelo Congresso divulgou seu relatório de 226 páginas, destacando cerca de 30 países onde os direitos à liberdade religiosa estão sendo violados de forma flagrante.

Assim como nos últimos anos, o relatório divide os países em diferentes níveis, com recomendações de "Nível 1", representando países que a Comissão acredita que deveriam ser rotulados pelo Departamento de Estado dos EUA como "países de preocupação especial" (CPC). O rótulo CPC traz consigo a possibilidade de os países poderem enfrentar sanções ou outras conseqüências negativas.

O "Nível 2" identifica os países onde as violações da liberdade religiosa ocorreram, mas não atingiram a gravidade necessária para serem consideradas Nível 1.


A USCIRF recomenda que 16 países sejam rotulados como CPCs pelo Departamento de Estado, 10 dos quais foram designados ou redesignados como CPCs pelo Departamento de Estado em novembro passado.

Níveis 1 e 2

Os países do Nível 1 são: Birmânia, República Centro-Africana, China, Eritréia, Irã, Coréia do Norte, Nigéria, Paquistão, Rússia, Arábia Saudita, Sudão, Síria, Tadjiquistão, Turcomenistão, Uzbequistão e Vietnã.

"Como já foi dito várias vezes nesta manhã, temos os níveis 1 e 2 dos países que observamos", disse o comissário da USCIRF e ativista conservador social de longa data Gary Bauer durante um evento de lançamento no Capitólio, com a participação de um grupo bipartidário de parlamentares.

“Se fôssemos classificar os países do Nível 1, a China estaria em uma categoria por si só [com relação ao] nível de perseguição religiosa. O país é um violador de oportunidades iguais”, acrescentou.

Com os EUA e a China à beira de um grande acordo comercial, o relatório da USCIRF serve como uma última chamada para que as autoridades dos EUA “integrem a liberdade religiosa e a diplomacia relacionada aos direitos humanos” nas negociações comerciais em curso.

A USCIRF pede que tal diplomacia também ocorra no Diálogo Diplomático e de Segurança EUA-China e em outros níveis das relações entre os dois países.

A negociação comercial ocorre quando a perseguição do Partido Comunista Chinês contra os muçulmanos uigures, as comunidades cristãs clandestinas, o Fulan Gong e os budistas tibetanos continua crescendo assustadoramente.

O relatório da USCIRF observa que estimativas mostram que até 800.000 a 2 milhões de muçulmanos uigures foram detidos em Xinjiang.

Embora o governo chinês e o Vaticano tenham chegado a um acordo no ano passado, “a repressão da Igreja Católica clandestina aumentou durante a segunda metade do ano” e também continuou em 2019.

Além disso, as autoridades chinesas fecharam ou invadiram centenas de igrejas domésticas protestantes em 2018 e continuam a fazê-lo em 2019.

Enquanto o governo chinês continuava a usar tecnologia avançada de vigilância e outras medidas para reprimir os budistas tibetanos, mais de 900 praticantes da religião Falun Gong teriam sido presos no decorrer de 2018 por praticar sua fé ou distribuir literatura religiosa.

Para piorar a situação, a USCIRF adverte que a barreira entre a religião e o Partido Comunista na China foi ainda mais corroída em março de 2018, quando a jurisdição sobre assuntos religiosos foi transferida de uma entidade governamental para “um órgão do Partido Comunista Chinês”.

"Eles vão atrás de qualquer pessoa de qualquer fé que possa competir com o governo comunista e ateísta da China pela lealdade de seus cidadãos", alertou Bauer, de 72 anos. “É profundamente perturbador ver que a China é uma potência em expansão e um país que se torna cada vez mais poderoso a cada ano. Ter um país com essas ideias e esse grau de perseguição deveria ser algo que assusta a todos”.

Difícil classificação

Embora a USCIRF tenha designado a China como um país de nível 1 por 20 anos, a situação está "piorando", afirmou Bauer.

Ele acrescentou que os comissários da USCIRF estão trabalhando com funcionários do governo para empurrar a ideia de que as negociações com a China devem ser mais do que apenas "tarifas e empregos", mas também sobre a ideia de que cada pessoa é capaz de praticar sua fé como bem entender.

"Também estamos pedindo este ano de segmentação específica de indivíduos", disse Bauer. “Sabemos os nomes de indivíduos na China que estão trabalhando para o governo que está envolvido nesta perseguição, sejam perseguidores dos uigures muçulmanos ou o Falun Gong, cristãos ou budistas tibetanos. Precisamos chamá-los pelo nome e fazer tudo o que pudermos para puni-los”.

Bauer também chamou a atenção das corporações norte-americanas que têm suas próprias relações comerciais com a China.

"O comércio com a China deveria mudar a China", disse ele. “Acabou que o comércio com a China acabou mudando a América, à medida que mais e mais corporações se tornaram dependentes da boa vontade do governo chinês.”

Em 30 de abril de 2019

Fonte: guiame